DESTAQUES

Somente 15% dos brasileiros sabem o significado da sigla AVC

Redação Vya Estelar 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

Da Redação

Foram entrevistadas 801 pessoas sobre a doença que causa mais morte no País.

Uma pesquisa com a população brasileira sobre o Acidente Vascular Cerebral - AVC, chamado popularmente de derrame cerebral, publicada em fevereiro deste ano na revista Stroke, principal periódico científico internacional da área, mostra resultados alarmantes: 90% dos brasileiros diz não ter nenhum tipo de informação sobre o AVC.

"Existe muito desconhecimento sobre a doença no Brasil, que não tem recebido a atenção necessária das autoridades", afirma o neurologista Dr. Octávio Marques Pontes Neto, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo (FMRP/USP). O médico coordenou o estudo, com a colaboração de pesquisadores da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal do Ceará e Escola de Medicina e Saúde Pública da Bahia.

Segundo o especialista, a situação se agrava, pois a maioria dos pacientes procura muito tarde o atendimento médico por desconhecimento da doença e de seus sintomas iniciais, o que dificulta o reconhecimento e encaminhamento rápido para um hospital adequado.

Estudo

No estudo, foram entrevistadas 801 pessoas em locais públicos de São Paulo (capital), Ribeirão Preto, Salvador e Fortaleza. "Descobriu-se que o AVC ainda não tem uma denominação adequada e unificada. Foram citadas 28 diferentes denominações para a doença, entre elas congestão, AVE e passamento", conta Pontes Neto. "Somente 15,6% dos entrevistados sabiam o que significa a sigla AVC", completa.

Segundo a pesquisa, 35% dos entrevistados sabiam o número do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU (192) e 2% citaram o número 911, de emergência nos Estados Unidos. Outro dado importante é que somente um dos entrevistados fez referência ao tratamento trombolítico (que desobstrui a artéria cerebral entupida, restaurando o fluxo sanguíneo cerebral e normalizando o fornecimento de oxigênio e nutrientes ao cérebro), principal opção de tratamento nas primeiras três horas do início dos sintomas de AVC.

AVC

A principal causa de incapacidade funcional no mundo e de morte por causas cardiovasculares no Brasil. A Organização Mundial de Saúde - OMS estima que mais de 5 milhões de pessoas morram a cada ano por causa de acidentes cardiovasculares. Segundo a Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares, o AVC é responsável por 30% dos óbitos registrados no País.

Mesmo os pacientes que sobreviveram a um AVC correm riscos: cerca de 50% morrem após um ano, 30% necessitam de auxílio para caminhar e 20% ficam com sequelas graves.

Prevenção

Mas o especialista afirma que boa parte dessas mortes e sequelas poderia ser evitada com medidas de prevenção, como dieta alimentar (ingerir pouco açúcar, sal e gordura), praticar exercício físico regularmente, não fumar, beber moderadamente e controlar a pressão alta, o colesterol e o diabetes, além de diminuir o estresse.

Na maioria dos casos, o AVC é causado pelo entupimento de uma artéria cerebral por um coágulo, o que impede que o sangue chegue adequadamente a regiões importantes do cérebro, causando sintomas neurológicos.

Sintomas de derrame

A pessoa que está tendo um derrame pode apresentar os seguintes sinais:

· Diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um mesmo lado do corpo;

· Alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo;

· Perda súbita de visão em um olho, eventualmente nos dois olhos;

· Alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular e expressar ou para compreender a linguagem;

· Dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente;

· Instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos.

Tratamento

Os medicamentos "destruidores de coágulos" diminuem os riscos de sequelas causadas pela doença na fase aguda, melhorando a qualidade de vida do paciente. Neste grupo de medicamentos, denominados antiagregantes plaquetários, estão o ácido acetilsalicílico e o cilostazol, que tiveram sua eficácia protetora comprovada por vários estudos.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

Eleição presidencial no Brasil se transformou em plebiscito de Bolsonaro?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.