DESTAQUES

O que meditação e psicoterapia têm em comum?

Redação Vya Estelar 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO

por Elisa Kozasa

Hoje recordo-me quando estive no International Congress of Cognitive Psychoterapy (Congresso Internacional de Psicoterapia Cognitiva) na Suécia (2005).

A psicoterapia cognitiva é uma abordagem terapêutica que tem tido grande desenvolvimento nos últimos anos, pois é uma terapia focada em problemas específicos, com resultados avaliados pela literatura científica, e que trabalha diretamente na maneira em que interpretamos situações do cotidiano.

Por exemplo, podemos ter a tendência de “catastrofizar” nossos problemas e com isso nos sentirmos bastante afetados e ansiosos.

Nessa abordagem psicoterapêutica, o cliente será orientado a perceber essa tendência exagerada em primeiro lugar, e a tentar observar os fenômenos que ocorrem no dia-a-dia de maneira real, sem hiperdimensionar conflitos e situações.

O que mais me impressionou nesse congresso, foi a abertura desse evento em que o criador dessa modalidade terapêutica, Aaron Beck, reuniu-se em um interessante diálogo com o Dalai Lama.

Talvez há alguns anos pudéssemos nos perguntar o que teriam em comum esses dois homens, um cientista e outro budista. Porém aqueles que de alguma maneira têm acompanhado na mídia, ou nos últimos artigos científicos o tema controle de ansiedade e estresse, ou ainda o tratamento de depressão já se depararam com a meditação recomendada como técnica complementar, sobretudo associada à terapia psicoterapia cognitiva.

Nesse diálogo, duas formas de estudar a mente estavam sendo confrontadas: uma objetiva, através de escalas e de medições fisiológicas e outra subjetiva cujo instrumento principal é a prática de meditação. A meditação pode ser utilizada para acessar estados de consciência que nos permitam conhecer a origem de nossos pensamentos e emoções, permitindo-nos aprender a lidar com elas.

Link: meditação e psicoterapia cognitiva

O treinamento de atenção focada, durante a meditação, é uma porta para expandir a capacidade de controlar a nossa vida interior. Um foco de atenção nas emoções proporciona estratégias práticas para gerirmos as emoções.

Aqui talvez comece o link com as estratégias da psicoterapia cognitiva, uma vez que as práticas meditativas podem colaborar na identificação dos pensamentos distorcidos e que nos levam à ansiedade e outras formas de sofrimento.

Ajudar a superar a ansiedade e outras formas de sofrimento é o objetivo não apenas da psicoterapia, mas também das práticas meditativas de várias tradições. Tendo percebido isso, alguns pesquisadores como John D Teasdale, conceberam a chamada Mindfulness Based Cognitive Psychotherapy (MBCT), que poderia ser traduzida como Psicoterapia Cognitiva Baseada na Atenção Plena.

Alguns artigos científicos mostram que a aplicação dessa prática pode reduzir, por exemplo, a recaída de pessoas com depressão pela metade. Ela nada mais é que a Psicoterapia Cognitiva associada a estratégias de desenvolvimento de maior consciência como a prática de meditação.

Trata-se do resultado de uma bem sucedida combinação entre a psicoterapia ocidental com uma prática milenar oriental.

O que você acha de na próxima vez que estiver “catastrofizando” um problema, parar, respirar fundo observar as sensações, o que está realmente acontecendo, e resgatar um estado de calma?

Respiração

Você pode inspirar profundamente pelo nariz e expirar lentamente pela boca, uma, duas e três vezes e observar...

Dicas de leitura

Goleman D. A mente meditativa: as diferentes experiências meditativas no oriente e no ocidente. São Paulo: Editora Ática; 1998.
Goleman D. Como lidar com emoções destrutivas: para viver em paz com você e os outros. Editora Campus, Rio de Janeiro, RJ, 2003, p. 354-355.
Kabat-Zinn J. Full catastrophe living: using the wisdom of your body and mind to face stress, pain, and illness. Bantan Dell, New York, 2005.

*John D Teasdale: pesquisador da universidade de Cambridge, na área de cognição no processo da depressão

 




Redação Vya Estelar



ENQUETE

Paulo Coelho diz que os grandes prazeres da vida são grátis. Você concorda?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.