DESTAQUES

Busque o autoaperfeiçoamento mas livre do perfeccionismo

Emilce Shrividya Starling 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
Experimente mudar sua perspectiva mental e liberte-se de julgar os outros

por Emilce Shrividya Starling

Todos nós desejamos a paz interior, mas se ficarmos buscando a perfeição em tudo, ficaremos em conflito. O perfeccionista está sempre descontente e insatisfeito. Vê somente os defeitos, não valoriza o que faz e fica focado nos defeitos e erros dos outros.

A Filosofia do Yoga nos ensina que devemos buscar o autoaperfeiçoamento, mas devemos nos libertar do perfeccionismo. Em vez de ficarmos fixados nas coisas que estão erradas e em nosso desejo de mudá-las, é melhor nos sentirmos felizes e gratos pelo que já alcançamos.

Se ficarmos presos em detalhes, querendo mudar tudo ou preocupados com a imperfeição dos outros, ficaremos irritados e ansiosos. Por exemplo, se quisermos mudar a aparência de alguém, o modo como se comporta ou como vive sua vida, nós nos tornamos autoritários e sem gentileza.

Devemos fazer o melhor que pudermos, mas não devemos nos concentrar no lado errado das coisas e das pessoas. Mesmo que as coisas não estejam perfeitas, é bom apreciar e agradecer o modo como as coisas estão no momento.

Desenvolver a aceitação do momento presente é sabedoria. Ao nos libertarmos do julgamento perfeccionista, podemos desfrutar com mais tranquilidade da vida e descobrir beleza em nosso cotidiano.

Aceite a vida como ela está agora. Sinta-se contente com o que você é e possui agora. Isso não significa que você vai cruzar seus braços e desistir de alcançar suas metas. Mas, lembre-se que, ao se aceitar e sentir que a vida está bem agora, você terá mais harmonia, mais contentamento e poderá atrair o melhor para você e para sua vida.

Quando você alcançar a paz interior através dessa aceitação, você ficará mais concentrado nos seus afazeres, desenvolverá mais eficiência e criatividade, podendo assim atingir melhor suas metas, com mais motivação. E, ao mesmo tempo, se tornará uma pessoa mais gentil e transmitirá isso, no trabalho, nos seus momentos de lazer e no seu lar.

Lembre-se de valorizar as coisas que você faz, reconhecendo seu autoesforço, suas habilidades específicas e assim, você amplia ainda mais seu senso de gratidão. Agradeça a você mesmo por tudo que você faz, até mesmo pelas pequenas coisas diárias, pois isso gera autoconfiança e mais serenidade.

Sentindo essa aceitação e sem o julgamento perfeccionista, vamos desenvolvendo a qualidade divina da compaixão. A compaixão é um sentimento que nos eleva espiritualmente e tranquiliza a nossa mente.

A compaixão é desenvolvida praticando-a na vida diária, abrindo nossos corações para as outras pessoas. Para sentir compaixão, devemos nos colocar no lugar delas, reconhecer que suas dificuldades e dores são, muitas vezes, piores que as nossas.

Além da intenção de ajudar, de compreender os problemas dos outros, é importante a ação. Fazer algo para diminuir o sofrimento é amor em ação. Você pode ajudar com algum dinheiro ou com seu tempo. Pode ajudar apenas com um sorriso gentil, com uma palavra amiga, dando um telefonema, escrevendo um e-mail. O importante é que você faça essas pequenas coisas com amor.

Como disse Madre Teresa de Calcutá: “Não podemos fazer grandes coisas nesta Terra. Tudo que podemos fazer são pequenas coisas com muito amor.”

Em vez de reclamar e ver apenas os erros das pessoas, mudamos a nossa perspectiva da vida quando aprendemos a ter compaixão. Começamos a ver o lado bom das pessoas, suas qualidades. E, compreendemos que muitas coisas que julgávamos importantes e erradas, são apenas intransigências do nosso ego negativo.

Quando abrimos nossos corações para sentir amor e compaixão pelas pessoas, aumentamos nosso sentimento de gratidão e passamos a valorizá-las e a reconhecer também seus talentos e boa vontade. Isso traz tranquilidade e diminui o estresse. Você fica em paz com sua mente e com os outros.

Em vez de achar que você sabe tudo, que sempre está com a razão, abra-se para ouvir a opinião dos outros. Ouça-os mais sem interromper o que estão falando. Entenda que até mesmo as pessoas imprudentes, raivosas e mal-educadas que você encontra, têm algo para lhe ensinar .

Uma nobre e essencial virtude que podemos desenvolver é a paciência. Se tivermos mais tolerância com as imperfeições das pessoas, sentiremos menos aborrecimento e frustração pelos erros delas. Essa atitude mental vai nos libertar da raiva acumulada, da irritação e sentiremos mais felizes, com nosso coração apaziguado e agradecido.

Experimente mudar sua perspectiva mental e liberte-se de julgar os outros e a si mesmo com rigidez. Pare de se concentrar excessivamente no lado errado das coisas e das pessoas. Procure descobrir pelo menos uma boa qualidade nelas e, principalmente, descubra boas qualidades em você. Assim, faça as pazes com sua mente e com as pessoas e, começará a descobrir a perfeição na própria vida.

Fique em paz! Namastê! Deus em mim saúda Deus em você!




Emilce Shrividya Starling

É formada em Yoga pela Federação de Yoga do Brasil e Centro de Estudos de Yoga Narayana/S.P, com aperfeiçoamento em Hatha Yoga e Meditação nos Estados Unidos. É professora de Hatha Yoga em Santos (SP), desde 1989. Atualmente ensina Filosofia do Yoga e Meditação.



ENQUETE

Atração física não basta, tem que haver atração mental. Você concorda?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.