DESTAQUES

Você sabe manter o foco? Veja três boas razões para fazer isso

Lilian Graziano 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
Emoções e atitudes positivas ampliam conexões positivas

por Lilian Graziano

O que nos desvia dos pedregulhos e do esterco no caminho é o olhar treinado para as flores que margeiam as ruas.

A metáfora que trata da perspectiva positiva que temos de ter, quando nossa trajetória é cheia de obstáculos, pode parecer piegas, mas é real e útil. Tudo na vida é uma questão de foco, até mesmo  (e principalmente) sob o viés da Psicologia Positiva (PP). 

No final da década de 1990 ao fundar a PP, o psicólogo Martin Seligman empreendeu a maior mudança de foco da história da Psicologia. A pauta da doença, presente nos settings terapêuticos, deu lugar ao autoconhecimento e ao fortalecimento emocional do indivíduo sob o uso de suas próprias forças pessoais (veja aqui). Não era preciso ter patologias para passar por psicoterapia – bastava o desejo do desenvolvimento pleno e funcional. 

Seligman estava corretíssimo. Ao falar em metáforas, mas tratando de nossa fisiologia -- conexões neuronais desenvolvidas ao “olhar para as flores” -- essas ampliam as redes de neurônios orientadas para o mesmo fim. Em outras palavras, emoções e atitudes positivas ampliam conexões positivas, modificando, de uma maneira geral, a visão de mundo do sujeito, cujo foco será flores, não o esterco do caminho.  Tal implicação favorece comportamentos e relacionamentos mais saudáveis e assertivos. 

Outra questão do foco envolve a compreensão da felicidade como processo e não o fim em si. Caso morra hoje, você pode dizer que foi feliz? Ou a felicidade está lá, no ponto imaginário que até então lutava para alcançar? A felicidade deve estar no caminho e não no fim dele, e alguns conceitos da PP nos ajudam a encontrá-la assim.  

Quanto mais momentos de flow  tivermos na vida, por exemplo, maiores nossos níveis de gratificação em relação a ela. Em geral, entramos em flow quando nos dedicamos a atividades que gostamos de fazer e que exigem o emprego de nossas habilidades num nível ótimo (nem aquém nem muito além do que somos capazes). Não é preciso ser um especialista em Psicologia Positiva para percebermos que quanto mais gratificação obtivermos na vida, maiores nossas chances de sermos felizes.

Mindfullness: momento presente

Mas, além disso, a Psicologia Positiva traz um outro conceito que se encontra relacionado a um possível aumento nos nossos índices de felicidade. Trata-se do mindfullness.

O mindfullness estado de plena atenção no momento atual, nos direciona a aproveitar o presente, quando abstrações e pensamentos negativos funcionam como “ruídos”, tirando-nos daquela situação e projetando-nos a outras que têm sua forma, tempo e lugar de serem vivenciadas/resolvidas. 

Um bom exercício de mindfullness é reparar no que está à sua volta e em como você se sente diante disso, tirando o foco de passado e futuro, diminuindo a ansiedade e o estresse provenientes das projeções “ruidosas”. A prática tem fundamento na meditação oriental, da qual o médico ocidental Jon Kabat-Zinn tirou inspiração para criar a sua meditação zen, que  aplica no tratamento contra o estresse.

Três razões para manter o foco

Até aqui foram três boas razões para levar a sério a questão do foco:

1ª) O desenvolvimento de atitudes positivas;

2ª) A felicidade no presente;

3ª) E a redução do estresse.

Como e quando você pode exercitar isso é uma escolha pessoal, baseada nas suas características, habilidades e talentos (e também em suas descobertas). 

A decisão, agora, cabe ao leitor (a): se haverá mais flores, pedregulhos ou esterco no caminho é algo que só depende de você. O que não há dúvidas é o fato de que a Psicologia Positiva pode ajudá-lo (a) em cada passo desse trajeto, decorado com aquilo que o seu olhar permitir.

 




Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.