DESTAQUES

Saiba como conhecer o outro lado do medo: a liberdade

Renato Miranda 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
O medo é o amigo silencioso que nos faz planejar ações ...

por Renato Miranda

Semana passada participei de um programa de televisão cujo tema era o medo no esporte. No programa, atletas de surfe, ginástica olímpica, escalada e outros relataram suas diversas experiências em relação ao medo e suas maneiras de conviver com esse fenômeno tão comum ao homem, seja na vida esportiva ou em qualquer momento.

Minha participação se resumiu em explicar de alguma forma, como o medo faz parte do cenário do esporte e suas correlações no desempenho do atleta e por extensão em outras situações.

Primeiramente é possível aceitar o medo como algo natural e, portanto, criar resistências perante o medo é perda de tempo e infrutífero, pois se não houvesse o medo para que serviria a coragem. Lutar contra o medo só serve para criar resistência, produzir ansiedade, nervosismo e insegurança, e com isso diminuir a qualidade da nossa tarefa.

Portanto, o medo deve ser absorvido com naturalidade e transformá-lo em algo positivo. Assim sendo, o medo nos servirá para mantermos em alerta e mostrar o quanto devemos ser precavidos e nos preparar. Além disso, o medo nos ajuda a autoavaliar treinamentos e competências, checar estratégias, equipamentos e procedimentos. Sem medo, podemos ficar impulsivos, arrogantes e negligentes. Como consequência, experimentar derrotas e, em alguns casos, tragédias inesperadas.

Em muitas situações é o medo que nos faz aprender e pesquisar informações e com isso absorvemos e o dominamos naturalmente. Sem informações adequadas o desconhecido ganha forças ilusórias e potencializa o medo.

O medo é o amigo silencioso que nos faz planejar ações e preparar nosso corpo e mente para o enfrentamento. Veja o caso de bons escaladores de montanha, antes de iniciarem qualquer expedição, planejam cada estratégia, movimento e tudo o mais.

Nós temos no esporte muitos casos frustrantes e tristes em função de atletas e treinadores não terem escutado a “voz do medo”. Derrotas que vieram porque não temeram o adversário e por isso não se prepararam adequadamente. Desastres na montanha, em situações de pouco risco por que atletas não checaram o equipamento de segurança ou dispensaram o “back-up” (um segundo equipamento de segurança, ou simplesmente uma reserva de segurança).

Enfim, ao aceitar o medo o atleta vai em frente, porque ele se prepara para o desafio, ao desprezá-lo ele fracassa porque negligencia a realidade.

Uma dica que sempre dou aos atletas que sentem medo por algo e não conseguem transcendê-lo é responder algumas perguntas:

Tenho medo por quê...?

Será que estou realmente preparado?

O desafio é proporcional às minhas habilidades psicofísicas?

Tenho um bom plano de ações?

Meus equipamentos são adequados?

Conheço bem as adversidades que enfrentarei?

Sob risco, consigo vislumbrar o sucesso?

Quando o atleta responder positivamente a essas perguntas o medo será um grande aliado e deixará de ser um obstáculo.

Por fim, lembre-se, todos os atletas sentem medo, os mais corajosos, aceitam o medo como parte integrante da vida, aliam-se a ele e, por conseguinte preparam-se disciplinadamente para o desafio e com ímpeto vão em frente. Como resultado esses atletas conhecem o outro lado do medo: a liberdade!
 




Renato Miranda

Professor da Faculdade de Educação Física da UFJF; Mestre e doutor em Psicologia do Esporte (UGF); Especialista em didática e psicologia do esporte na Alemanha (Escola Superior de Esporte Alemã - Colônia) e Rússia (Instituto de Cultura Física de Moscou); Consultor de atletas em psicofisiologia (concentração, estresse. motivação e flow-feeling).



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.