DESTAQUES

Mau, muito mau!

Redação Vya Estelar 01/01/2016 PSICOLOGIA
Em psicoterapia é recomendável dissolver eventos traumáticos

Por Luís César Ebraico 

Sou proprietário de uma clínica onde vários psicólogos autônomos atendem seus pacientes. Há uma máxima que afirma: "onde abundam as teorias, impera a ignorância". Espero que não seja verdade, pois a Psicologia é um canteiro de escolas, cada uma com as mais variadas estratégias e técnicas de tratamento. Minha abordagem, a Loganálise, é, ela mesma, uma variação da Psicanálise, essa última, por sua vez, uma das muitas escolas que ocupam o campo da Psicologia. O diálogo a seguir transcorreu entre uma psicóloga - cuja abordagem certamente nada tem a ver com a minha - e seu paciente.

O contexto era o seguinte. Eu estava passando frente à porta de uma das salas da clínica, quando percebi que essa profissional - chamemo-la de Marta - estava hesitando em abrir a porta entreaberta de um consultório para nele entrar com seu paciente - chamemo-lo de João - um menino de cerca de oito anos de idade. Na verdade, estava em dúvida se ainda havia algum outro colega seu dentro da sala e não queria arriscar incomodá-lo. Percebi a situação e resolvi tomar para mim a responsabilidade de abrir a porta por ela. A sala, felizmente, estava vazia. Antes que entrassem, transcorreu o seguinte diálogo:

JOÃO (dirigindo-se a MARTA): - Ele é o dono da clínica. Ele É MAU!
MARTA (com voz melíflua): - Não, filho! Ele É BONZINHO!

Confesso que tive vontade de matá-la, como um sunita quer matar os chiitas e vice-versa. Com efeito, na minha religião psicoterápica, o que ela fez é pecado. Tentarei dar um exemplo do tipo de diálogo que eu consideraria não pecaminoso:.

JOÃO (dirigindo-se a MARTA): - Ele é o dono da clínica. Ele É MAU!
MARTA (interessada): - Ah, é? E como você sabe disso?
JOÃO (sério): - Porque ele tem o bigode igual ao do meu tio!
MARTA (dando corda): - E o seu tio é mau?
JOÃO (enfático): - Muito mau! Ele me batia toda a vez que minha mãe me deixava com ele.
MARTA: - E você não dizia isso para sua mãe?
JOÃO: - Dizia, mas etc., etc., etc.

Ou seja, em vez de, como no primeiro diálogo, cortar a fala do garoto - em termos técnicos, de reprimi-lo, o que é contra minha religião psicoterápica - a psicóloga teria feito intervenções que incentivariam o menino a falar sobre eventos traumáticos para assim os dissolver - que é o que o que recomenda essa minha religião.

Mas, como sou mais civilizado do que xiitas e sunitas, não a matei. Não fiz nada.
Não. Mentir é feio. Menti. Fiz uma coisa, sim. Fiz uma bela careta de mau para o garoto, que a ela reagiu com uma expressão de desprezo que parecia dizer: "Seu panaca, sei muito bem que você não é mau porcaria nenhuma. Será que você não entende nada de terapia?"




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.