DESTAQUES

Perdas vividas dão oportunidades para que o amor se revele

Karina Simões 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Não podemos focar numa visão apenas pessimista da vida

por Karina Simões

Ao assistir ao filme Para sempre Alice, um dos vencedores do Oscar 2015, deparei-me com um tema de extrema relevância: as perdas.

O filme mexe com uma das mais importantes áreas femininas: a vaidade. A partir daí, percebemos a quantidade de perdas inerentes ao viver. O filme retrata a história de uma renomada professora de linguística que descobre mais à frente ser portadora da doença de Alzheimer.

Desde essa descoberta, a vida de Alice é contabilizada por inúmeras e sucessivas perdas como: domínio cognitivo, capacidade intelectual, falta de autonomia familiar como esposa e dona da casa, *culpa genética pelos filhos, perda de autonomia laboral, vaidade, autoestima, entre outras.

E é assim a vida de cada mulher quando paramos para refletir que, no cotidiano, passamos por perdas diárias, por lutos não reconhecidos. Já nos diziam e nos ensinaram os psicanalistas, que ao nascermos, já começamos a perder. Perdemos ao sair do ventre materno para encarar e enfrentar as adversidades mundanas.

Claro que não podemos focar numa visão apenas pessimista da vida, devemos ter em mente que também temos uma sucessão de ganhos e aprendizados diários, mas também é importante a compreensão de que as perdas, desde que nascemos, serão uma constante no processo de viver.

O filme evidencia que as perdas vividas dão oportunidades para que o amor se revele como fruto do que foi semeado, pela própria personagem, ao longo de sua história. A dedicação do marido no estágio avançado da doença e o cuidado da filha e da família revelam que maior do que a perda é o ensejo do amor.

A poetisa citada pela personagem no filme, Elizabeth Bishop, fala poeticamente sobre o perder. Ela nos diz:

"A arte de perder não é nenhum mistério; Tantas coisas contêm em si o acidente de perdê-las, que perder não é nada sério. Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero, a chave perdida, a hora gasta bestamente..."

Enfim, vivemos diariamente um aprendizado sobre a arte de perder. E o perder a cada dia é também um grande aprendizado para quem perde, e para quem observa a perda. Pois, perder também é ganhar... Quando existe o amor!

* O Alzheimer que a acomete é passado geneticamente para os filhos e uma das filhas fez exame genético e deu positivo para o gen a doença.




Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

Eleição presidencial no Brasil se transformou em plebiscito de Bolsonaro?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.