DESTAQUES

Por que perdemos a felicidade da adolescência?

Eduardo Ferreira Santos 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
É preciso conscientizar-se dessa impermanência da vida

por Eduardo Ferreira Santos

"Oi, boa noite, graças a Deus encontrei este site. Gostaria de saber por que nunca sou feliz de verdade; sempre bate um medo e uma angústia. Eu nunca fico feliz da forma que era quando tinha 15 anos: a felicidade era pura. Agora aos 39, com três filhos, sou sempre insegura, medrosa, já acordo com receio de como será o meu dia. Doutor me ajude, como mudar meus pensamentos? Como me sentir feliz? Todos ao meu redor me admiram, me elogiam, acham que sou calma; dizem que pareço superzen, mas só eu sei que às vezes por dentro estou ansiosa, angustiada e muito mal. Necessito ser feliz."

Resposta: Penso que podemos resumir a vida como uma estrada na qual não vemos seu limite e seguimos cegamente em frente, ora enfrentando obstáculos, ora desviando deles, outras vezes pegando atalhos e fazendo opções certas ou erradas nas várias bifurcações que vão aparecendo pelo caminho.

Aos 15 anos, geralmente temos pouca ou nenhuma noção das exigências e responsabilidades que esta jornada irá nos oferecer e ainda vivemos em sonhos e desejos que não contemplam a realidade da vida. À medida que crescemos, ganhamos em liberdade e maturidade, mas aumenta em muito nosso grau de responsabilidade pelo que fizemos até então e pelo que temos ainda a enfrentar por todo o caminho que a vida nos oferece.

Não é fácil! Há mesmo, como se costuma dizer, "um perigo a cada esquina" e aprendemos a perceber a nossa vulnerabilidade perante o acaso e a impermanência da vida, pois nada é absolutamente seguro e certo, a não ser o nosso saber de nossa profunda insegurança. Assim, podemos viver temendo cada novo momento ou, simplesmente, seguirmos com a cautela e a prudência que o caminho escuro a nossa frente exige.

A tão aclamada felicidade permanente é apenas um mito que nos ensinaram nos "contos de fada" e em nada corresponde à realidade da vida adulta.

Não há como ser feliz absolutamente... há apenas a certeza de que, ainda, estamos vivos e seguimos à mercê de um acaso que não podemos ter controle nenhum sobre o futuro. É preciso conscientizar-se dessa impermanência da vida e vivê-la em cada momento como se fosse o último, caso contrário, corremos o risco de deixar de viver para apenas temer a vida!

 

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra e psicólogo Eduardo Ferreira Santos responderá dúvidas e perguntas sobre os relacionamentos de uma maneira geral, sobre autoestima e conflitos emocionais. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Eduardo Ferreira Santos

Psiquiatra e psicoterapeuta. Obteve Titulo de Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP e o de Doutor em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina na USP. Escreveu os seguintes livros sobre relacionamento amoroso: Casamento missão (quase) impossível; Ciúme: O medo da perda; Ciúme: O lado amargo do amor Mais informações: www.ferreira-santos.med.br



ENQUETE

Eleição presidencial no Brasil se transformou em plebiscito de Bolsonaro?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.