DESTAQUES

Entenda o TDPM

Karina Simões 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Transtorno Disfórico Pré-Menstrual pode privar a mulher de suas atividades

por Karina Simões

Cada vez mais a mulher ocupa espaço no mercado de trabalho e acumula funções como: mãe, esposa, filha, dona de casa, etc.

Essas funções femininas agregadas podem favorecer ou potencializar os sintomas do Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM). E muitas mulheres não sabem lidar com eles.

Os sintomas são: nervos à flor da pele, ansiedade, choro fácil e irritabilidade. Esses são responsáveis pela alteração de humor em cerca de 10% das mulheres brasileiras em idade reprodutiva.

Esses sintomas fazem parte do quadro do transtorno (TDPM) que o DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais, da Associação Americana de Psiquiatria) categoriza hoje até como grave e pode incapacitar a mulher em suas atividades.

Ao se fazer uma comparação com a antiga TPM (tensão pré-menstrual) que todas já vivenciaram um dia, esse transtorno é mais agressivo. O que o difere dsa TPM é o fato da mulherr ficar incapacitada para trabalhar e também levar sua vida normal. Ela chega a prostrar se.

Os critérios diagnósticos do DSM-V incluem: tensão, alteração de humor, irritabilidade, ansiedade, raiva, tristeza, entre outros, que tenham se manifestado nas duas últimas semanas do ciclo menstrual, dentre a maioria dos ciclos, no decorrer do último ano.

Os sintomas estão associados a sofrimento clinicamente significativo, interferindo na vida profissional e pessoal. A perturbação não se classifica como mera exacerbação de outros transtornos, como o de personalidade e o do pânico, porém os sintomas não são inerentes ao uso de outras substâncias (medicação ou drogas ilícitas).

Existe tratamento?

Sim. A prática de atividade física regular; alimentação balanceada com a orientação de um nutricionista; consultas ao psicoterapeuta para compreender as limitações e suas superações possíveis; e muitas vezes o uso de antidepressivos com auxílio médico resultam na diminuição acentuada das queixas.

Na psicoterapia, a mulher vai compreender sua oscilação de humor e aprender a lidar melhor com suas habilidades de manejo quando as "crises" estiverem chegando, bem como aprender a conhecer melhor tanto a si como o seu corpo, que também faz parte do processo de amadurecimento feminino.




Karina Simões

Psicóloga clínica cognitivo-comportamental. Possui especialização em Psicologia da Saúde e Desenvolvimento pela UFRN. Especialização pela Faculdade de Medicina do IPHC da USP. Membro da Federação Brasileira de Terapias Cognitivas - FBTC. Mais informações: www.karinasimoes.com.br



ENQUETE

Você toparia ter um relacionamento de “amizade com benefícios”? Tratam-se de amigos que se tornam parceiros sexuais sem deixar isso interferir na amizade; o termo vem da expressão 'friends with benefits'.





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.