DESTAQUES

O outro lado da loucura

Roberto Goldkorn 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Pessoas socialmente integradas podem ser loucas

por Roberto Goldkorn

Estou acabando de ler uma das mais completas e fascinantes biografias do psicólogo suíço *Carl Gustav Jung (1875-1961).

Para quem não conhece a sua obra ou para aqueles que não concordam com a sua visão de mundo, certamente não deve ser uma leitura tão fascinante quanto está sendo para mim. Mas isso é só para dizer que me emocionou a luta de Jung contra a "loucura" em suas mais variadas manifestações.

Mas não só de Jung, de todos aqueles que estão em campo para atenuar o sofrimento daqueles que sofrem pela manifestação dos sintomas de enfermidades mentais, e que procuram ajuda desesperados.

Porém essas pessoas ainda têm alguma esperança, já que tomaram consciência de que precisam de ajuda, ou foram levadas a isso por parentes que sofrem junto.

Quero falar aqui, no entanto dos milhões de afetados pelo flagelo da doença mental, que nem de longe se consideram "doentes". São empresários, executivos, profissionais liberais, donas de casa, funcionários públicos, enfim são tudo que a sociedade enseja a todos. Mas eles estão lá, muitas vezes até estimulados por certas culturas ou modismos a expor suas neuroses e psicoses fazendo estragos à sua volta.

Infelizmente ou felizmente tive a oportunidade de ter meus caminhos cruzados com vários desses exemplares de "loucos socialmente integrados". Até pouco tempo atrás não tinha consciência do porquê certas pessoas me afetavam tanto, inclusive algumas dentro de minha própria família.

Ingenuamente acreditava que o meu problema era com essa ou aquela pessoa, seja pelos vínculos familiares, profissionais ou sociais. Mas a evolução do meu pensamento está chegando a um ponto muito interessante, onde percebo que não são ou não foram as pessoas que me afetaram (ainda afetam) tanto.

Ao perceber em todo o mundo os estragos que a loucura, seja ela maquiada de fé, fanatismo, ou ideologia, causa, saquei que a minha diferença é com esse flagelo, e não com os indivíduos que lhes servem de "médiuns".

Recentemente vi um episódio acontecer em família, onde uma onda de destruição sem sentido por pouco não causa um tragédia. Mas mesmo sem ter tido desfecho sinistro, já teve um desfecho sinistro.

Ao roubar desses familiares a possibilidade de um convívio amoroso, e de uma associação para o progresso profissional, a maldita demência seja ela qual a classificação tenha, é uma praga perniciosa.

Tenho tentado um distanciamento suficiente para analisar os componentes, origens e possibilidades de tratamento dessas manifestações de desequilíbrio mental e porque não dizer espiritual.

Não posso dizer que tenho o diagnóstico dessas tantas "loucuras", e nem de longe atino com uma solução. Mas tenho observado o que os grandes mestres da mente apuraram ao longo de suas vidas e procuro somar com minhas observações.

Uma constatação interessante, é que há um amplo terreno comum para essas manifestações, e quase todas podem ser detectadas por uma observação isenta, a não ser pelos próprias "vítimas".

Por exemplo, essa "doença" os integrados sociais, leva ao comportamento extremamente EGOCÊNTRICO. Isso significa que essas pessoas não conseguem pensar ou sentir nada além de suas próprias emoções, dores, alegrias, e desejos.

Quando vocês estiverem diante de alguém capaz de disputar quem teve a maior desgraça, a maior dor, a pior doença pode ser que esteja diante de um desses exemplares. O egocentrismo também os leva a identificação "coisal" (nomenclatura minha). Isso significa que eles ou elas são capazes de se ofender, de se magoar profundamente (ou se engrandecer) se o seu carro for desvalorizado, ou se a marca do
sapato que usam for considerada de baixa qualidade.

O egocentrismo exacerbado dessa doença faz com que vejam como extensões de si mesmo suas posses, ou itens que apenas momentaneamente estão em suas vidas.

Outro fator desse egocentrismo doentio, é a incapacidade total de ouvirem! Duplamente eles não se ouvem - não são capazes de analisar e extrair significado daquilo que dizem. E também não sabem extrair significado do que os outros dizem, a não ser que seja uma ratificação absoluta (sem trocar vírgulas) daquilo que pensam pensar.

Esse mesmo egocentrismo os coloca em situações esquizóides mas eles não conseguem perceber ou tirar dessa observação uma luz que indique que o rumo se perdeu. Por exemplo, é muito comum observarmos uma dissociação gritante da vida do doente com aquilo que ele diz ou pensa. Em geral a vida dessa pessoa, como não poderia deixar de ser, costuma apresentar-se como uma sucessão de desditas. Caos familiar, caos na saúde, caos na vida profissional, etc. Para não deixar que essas situações atinjam o âmago da doença obrigando-os a buscar ajuda, eles lançam mãos de mais recursos malabarísticos retóricos ou não para resolver o que os psicólogos chamam de "dissociação cognitiva" -abismo existente entre o que pensam, dizem e fazem.

Contorcionismo demencial

Recentemente ouvi uma dessas pérolas do contorcionismo demencial: um desses afetados que foi posto para fora de casa pela mulher e pelos filhos depois de um longo período aprontando barbaridades, no auge de uma discussão com outra pessoa sacou: "Eu vivo para a minha família!"

Um outro cuja vida é uma sucessão de atos perversos, chantagens, truculência contra a própria família, manipulação (são loucos, mas não são burros), afirmou no clímax de uma discussão que percebeu que não poderia vencer: "O que todos precisamos é colocar Deus no coração. A humanidade precisa de Deus, de perdão, de reconciliação." A principal característica da "doença" é justamente essa enorme cratera entre o que diz e o que a vida dele apresenta.

A minha reação sempre ruim, sempre de grande sensibilidade a essas pessoas na verdade é de revolta contra essa doença invisível que estraga tantas vidas, que corrompe tantos futuros promissores, tantos projetos de felicidade.

Mas não sei se a idade, o cansaço..., mas hoje não fico tão sensível assim à presença desses seres, por que renunciei a qualquer ilusão de poder combater esse solerte inimigo, esse caruncho que lesa a humanidade, que fratura famílias, que estupra sensibilidades e destrói empresas e empreendimentos.

Para quem ainda não foi afetado, que fiquemos de olho vivo. Se alguém disser que a marca do seu carro não é lá essas coisas, e você ficar irado, ou com raiva do "acusador" como se ele tivesse ofendido a senhora sua progenitora, talvez seja hora de buscar ajuda. Se achar que isso não é motivo para tanto, aí por favor, não esqueça de que fui eu quem avisei.

*Jung era médico. Teve uma formação como psiquiatra, mas atuou a vida toda como psicanalista, mas como a psicanálise é uma criação do Freud, ele criou a sua propria escola e a chamou de psicologia analítica, podemos dizer que ele foi um psicólogo analítico, ou seja, um profissional da sua própria escola psicológica.




Roberto Goldkorn

É escritor e autor dos seguintes livros: "Feng Shui para Brasileiros - A Medicina da Habitação", "Feng Shui - Energia e Prosperidade no Trabalho", "Feng Shui Para Brasileiros - A Cozinha" - todos pela Editora Campus. "Não Te Devo Nada" e "Solidão Nunca Mais" ambos pela Bertrand Brasil.



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.