DESTAQUES

Será que sofro de fobia social?

Joel Rennó Jr. 01/01/2016 PSICOLOGIA
Fobia social: timidez excessiva é uma das características

por Joel Rennó Jr.

"Não consigo me expor de jeito nenhum, mesmo tendo competência. Fico vermelha quando falo com pessoas estranhas."

Resposta: A fobia social ou transtorno de ansiedade social é caracterizada por uma timidez excessiva. As pessoas têm medo de serem avaliadas ou julgadas negativamente em situações de exposição. Apresentam sintomas e sinais como taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos), rubor facial, tonturas, tremores, boca seca, sudorese (suor excessivo nas mãos e pés) e até falta de ar, perante por exemplo, a apresentação de um seminário na empresa. O sofrimento psíquico é intenso, tais pessoas podem ficar tão constrangidas a ponto de evitarem pessoas ou situações onde haja uma exposição, conhecida como esquiva fóbica. As pessoas podem se isolar e até fazer uso de álcool ou 'calmantes' para aliviar a ansiedade. A associação com outros distúrbios psiquiátricos como depressão, etc, é comum. O tratamento consiste em medicamento antidepressivo (principalmente os que atuam na serotonina) acompanhado de psicoterapia cognitivo-comportamental.

Medo de dirigir: fobia ou síndrome do pânico?
Tirei carteira de motorista há sete anos e ainda não me sinto segura para dirigir. As pessoas de meu convívio me criticam muito por isso, dizem que qualquer pessoa menos capacitada intelectualmente do que eu, consegue. Mas tenho verdadeiro pânico de direção. Nas vezes em que tentei, fiquei muito nervosa, com tremores, rubor facial e cheguei a ficar paralisada em um local não muito movimentado. Dirigir eu até dirijo, mas quando vejo muitos carros aglomerados, acontece o que lhe relatei acima. Será que sofro de síndrome do pânico?

Resposta: Aconselho-a em primeiro lugar, a não se apegar jamais a padrões pré-estabelecidos por amigos ou familiares. Não é falta de coragem a sua atitude. Pode ser um quadro de fobia específica, você relata sinais e sintomas compatíveis com alto nível de ansiedade, quando exposta a tal situação. A síndrome do pânico é o 'medo de ter medo' e pode ser associada (por algumas pessoas) a situações ou locais envolvendo difícil saída ou busca de ajuda. Na prática, observamos que as crises de pânico independem de locais ou situações para serem deflagradas, porém, as pessoas que sofrem das mesmas, fazem tais associações e costumam se esquivar de tais locais ou situações. Há técnicas de psicoterapia comportamental muito eficazes para o tratamento dessa 'fobia'. Procure ajuda especializada com psiquiatra.

Tenho medo de entrar em depressão

Resposta: A depressão é uma doença psiquiátrica. Há componentes biológicos, psicológicos e sociais envolvidos. Os principais sintomas são: tristeza, desânimo, cansaço, fadiga, perda do prazer ou interesse por atividades habituais, humor deprimido, alterações de apetite (para mais ou menos), alterações do sono (excesso ou falta), pensamentos negativos (morte, culpa, ruína, menos-valia) e diminuição de atenção/concentração, por pelo menos duas semanas, na maior parte dos dias. Tais sintomas não podem ser explicados por uso de medicamentos ou uso de drogas. Toda situação de perda ou luto pode gerar sintomas depressivos, porém, não necessariamente tais sintomas constituem a doença depressiva. Hoje, as pessoas também confundem o conceito de tristeza, um sentimento vivencial universal normal, com depressão.

Se você tem medo de entrar em depressão, vale a pena conversar com um psiquiatra para obter esclarecimentos precisos e adequados dos seus sintomas, duração e evolução dos mesmos. O diagnóstico só deve ser realizado pelo médico. Isso possivelmente o deixará aliviado.

Tenho medo de barata, verdadeiro pânico
Já até me acidentei dentro de casa. Quando vejo uma barata, sinto calafrios e não gosto nem de pensar na hipótese de uma subir em cima de mim. O que eu posso fazer para me livrar desta fobia?

Resposta: Você tem um quadro de fobia simples ou específica. O tratamento envolve a psicoterapia comportamental, com técnicas de exposição gradativa ao estímulo temido. Inicialmente, a exposição pode ser feita através de fotos, vídeos, evoluindo para objetos de plástico e finalmente para o ser vivo. É importante que tal acompanhamento seja feito por um psicoterapeuta habilitado, que ensinará o paciente a controlar a ansiedade e o medo. Os resultados costumam ser razoavelmente rápidos e eficazes.

Tenho medo de altura, de escuro e de ficar sozinha

Resposta: Quadros de fobias específicas, como os relatados por você, geralmente costumam melhorar rápido (entre 12 e 16 semanas) com as técnicas da psicoterapia comportamental e cognitiva. O bom de tal técnica é que ela possui comprovação científica de sua real eficácia.




Joel Rennó Jr.

Dr. Joel Rennó Jr. MD, Ph.D. Professor do Departamento de Psiquiatria da FMUSP. Diretor do Programa de Saúde Mental da Mulher - Instituto de Psiquiatria da USP. Médico do Corpo Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein- São Paulo. Coordenador da Comissão de Estudos e Pesquisa de Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). www.psiquiatriadamulher.com.br



ENQUETE

Qual o preço de se buscar a perfeição?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.