DESTAQUES

Como a expectativa poderá nos prejudicar

Redação Vya Estelar 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Não precisamos provar coisa alguma a quem quer que seja

por Angelina Garcia


- É claro que não vai chegar. Pela hora que você deixa o trabalho, nem se vier voando.
- Pode deixar, eu dou um jeito, mas não saiam sem mim.

O espetáculo tinha hora para começar e o elenco a respeitava, assim como exigia que a porta do teatro fosse fechada antes do início do espetáculo. Com razão. Desconforto e risco de perder a concentração ao flagrar na platéia o atrasadinho tropeçando em busca de um lugar.

Tranquilizaria a todos, se Carmem aceitasse sua impossibilidade de chegar a tempo, mas, não, amarrava a irmã e o grupo de amigos ao compromisso de esperá-la, pois, antes de ouvir os seus argumentos, desligava o celular e não atendia a qualquer chamada pelo telefone da empresa. Não se tratava de capricho, simplesmente não levaria em conta o que eles tinham a dizer, porque nada abalaria sua certeza de cumprir o combinado.

Não cumpriria, como de outras vezes, e ainda provocaria uma situação desagradável caso esperassem por ela, caso a deixassem para trás.

Observemos dois contextos nos quais, de maneira um pouco diferente, a expectativa em relação a nós mesmos pode nos prejudicar. Ambos mostram a dificuldade em se lidar com as evidências, pois a pessoa sente-se de tal maneira onipotente que, no momento da decisão, vê-se removendo qualquer obstáculo. Junto a isso, lidar com as evidências pressupõe escolha e, portanto, perda.

No primeiro contexto, no qual se insere Carmem, a questão é ética, relacionada às normas de comportamento social, cujo resultado também recai sobre o sujeito da ação. É claro que depois de furar vários compromissos, ele passa a ser visto como alguém em quem não se pode confiar. O grupo poderá até permitir que continue por ali, mas sem levá-lo a sério. Situação muito diferente ocorre quando se comete erro nos cálculos, ou há necessidade de se ajustar a imprevistos, circunstâncias plenamente compreensíveis.

No segundo, a questão é comprometer-se consigo mesmo e tentar responder a qualquer custo à própria expectativa. Não estamos falando daquele esforço necessário à realização dos projetos que nos são caros, mas de conquistas que nos impomos apenas porque queremos provar a nós mesmos, ou a alguém, que somos capazes. Conduzindo nossos intentos nessa direção, poderemos perder a oportunidade de identificar o que realmente queremos e que nos tornaria, de fato, satisfeitos.

Não precisamos provar coisa alguma a quem quer que seja. Pensando assim conseguiremos manter nossa expectativa dentro do plausível, aprendendo a ampliá-la à medida de nossas realizações. Não significa contentar-se com o mínimo, mas diminuir a distância entre o possível e o imaginário, até mesmo para não povoarmos esse espaço de monstros que nos impeçam de dar o passo seguinte.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.