DESTAQUES

Como desintoxicar-se de remédios para emagrecer?

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Combinação de psicoterapia e tratamento farmacológico pode ser recomendada

por Danilo Baltieri

"Como desintoxicar uma pessoa que usou muito femproporex e clordiazepoxido para emagrecer?"

Resposta: Infelizmente, ainda é comum ver pessoas fazendo uso indiscriminado da combinação femproporex e clordiazepóxido para provocar a redução do apetite.

O femproporex é uma substância anfetaminoide que é frequentemente combinada com o clordiazepóxido (ou outro ansiolítico), que é uma droga do tipo benzodiazepínico, em fórmulas farmacêuticas, apesar das restrições ultimamente impostas para tais tipos de formulações.

A suposta “lógica” por detrás dessa combinação reside no fato de que, enquanto a substância anfetaminoide provoca redução do apetite, aceleração psicomotora e ansiedade, a droga do tipo benzodiazepínico reduziria a ansiedade, proporcionando “mais eficazmente” o efeito de redução do apetite. Lógica perniciosa e causadora de males duradouros...

De fato, estima-se que mais do que 11% dos usuários de anfetaminas torna-se dependente delas. Ao redor do mundo, estima-se que o número de pessoas que abusam dessas substâncias seja de cerca de 34 milhões, superando o número de pessoas que fazem uso abusivo de cocaína e heroína. E, dentre aqueles que fazem uso de substâncias anfetaminoides, cerca de 55% registram o uso de benzodiazepínicos conjuntamente nos últimos seis meses. Também, sugere-se que aqueles usuários crônicos de substâncias anfetaminoides, que também consomem benzodiazepínicos, apresentem maior risco de desenvolver a dependência e maior gravidade da dependência do que aqueles que não consomem benzodiazepínicos.

Anfetaminoides: efeitos físicos e psíquicos

Os principais efeitos físicos das substâncias anfetaminoides, após o consumo imediato, são: aumento da frequência cardíaca, aumento da temperatura corporal, cefaleia, náusea e boca seca. Já os principais efeitos psíquicos são ansiedade e agressividade, além de euforia. Naturalmente, esses efeitos variam para cada pessoa, dependendo das características de cada uma, tolerância, gênero, idade, tempo de uso, tipo de substância, quantidade da droga, etc.
Nos casos de superdosagem ou “overdose” dessas substâncias, o usuário pode apresentar, além de hipertermia (temperatura do corpo elevada) e taquicardia, grande aumento da pressão arterial sistêmica, podendo incorrer em acidentes vasculares cerebrais e infartos.

O consumo crônico dessas substâncias pode gerar várias consequências nocivas, tais como Síndrome de Dependência, sintomas depressivos, alterações da capacidade de julgamento e memória, alterações sensoperceptivas, dentre muitas outras. Entre indivíduos que consomem cronicamente essas substâncias, a suspensão abrupta ou mesmo a redução drástica abrupta do consumo pode provocar sintomas de Síndrome de Abstinência, como sintomas depressivos, fadiga, aumento do apetite e do sono, fissura pela droga. Embora os sintomas de abstinência dessas substâncias, geralmente, não sejam ameaçadores à vida do usuário, algumas vezes eles precisam ser adequadamente monitorizados.

Grande parte dos usuários de anfetaminas deseja emagrecer ou mesmo permanecer alerta ou acordada por períodos longos. De fato, são atitudes ou decisões altamente arriscadas e desaconselhadas. O usuário crônico de substâncias anfetaminoides pode apresentar uma miríade de alterações do funcionamento cerebral.

Estudo em neuroimagem têm mostrado diferentes alterações de estrutura em várias regiões do cérebro bem como alterações neuroquímicas.

Embora algumas substâncias relacionadas às anfetaminas tenham indicação para o tratamento de algumas doenças específicas, elas somente devem ser prescritas por médicos especialistas e conscientes. A possibilidade de indução de graves quadros de dependência e abuso é uma realidade, e todos – pacientes e médicos – devem estar sempre alerta.

Quando instalado o quadro de Síndrome de Dependência de Anfetaminas, o usuário deve procurar atendimento especializado. A combinação da psicoterapia e do tratamento farmacológico pode ser recomendada. A utilização de medicações específicas prescritas por médicos especialistas na matéria para o manejo dos sintomas de abstinência da Síndrome de Dependência de Anfetaminoides ou mesmo para os quadros de abuso dessas drogas pode ser eficaz no tratamento da Síndrome de Dependência de Anfetaminas, sempre respaldado em evidências científicas.

Deve-se ressaltar que, até o presente momento, não há medicações comprovadamente eficazes no tratamento da Síndrome de Dependência de Anfetaminas. Todavia, algumas medicações têm mostrado resultados promissores em diferentes pesquisas desenvolvidas em países diversos.

Abaixo, forneço interessante referência sobre o tema:

Karila L, Weinstein A, Aubin HJ, Benyamina A, Reynaud M, Batki SL. Pharmacological approaches to methamphetamine dependence: a focused review. British journal of clinical pharmacology. 2010;69(6):578-92.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.