DESTAQUES

Criança possui lastro emocional para aprender com autoconfiança

Marta Relvas 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Criança quando vai à escola geralmente é um misto de alegria e ansiedade

por Marta Relvas

A neuroaprendizagem emocional é uma parte integral da aparente aprendizagem cognitiva. A aprendizagem emocional acontece em um contexto dinâmico, relacional e emocional inconsciente. A emoção vai dando forma à cognição e a aprendizagem.

E a análise do circuito neurobiológico das estruturas e funções do cérebro, caso ocorra a desrregulação desses circuitos neurais, pode provocar os problemas emocionais como depressão, ansiedade, fobias, entre outros.

A eficácia emocional da criança se relaciona com a percepção da própria capacidade de lidar, monitorar, manejar e mudar sentimentos adversos que inibem a persistência da busca de um objeto. Ela pode experimentar sentimentos e pedir ajuda, o que a torna um aprendiz eficiente e mais confiante em si.
Imagem: emoção dá forma à cognição e a aprendizagem

A função da escola e do educador nesse processo é: promover eventos que colaborem com a sociabilidade e o prazer de aprender de maneira mais solidária e cooperativa, auxiliar a negociação de conflitos, ensinar a assumir responsabilidades por ações e seus comportamentos afins de não imputar culpa aos outros.

A criança quando vai à escola geralmente é um misto de alegria e ansiedade, tanto para as crianças como para os pais, reagindo de maneiras diferentes uma das outras. Problemas emocionais exigem um olhar e um acompanhamento, muitas vezes tratamentos mais específicos, pois podem desencadear distúrbios psicossomáticos, tais como: cefaleia, diarreia, dores de barriga e outros, que são transitórios. Logo que a criança se adapte à escola os sintomas e sinais desaparecem.

Diante disso, a conscientização dos profissionais e familiares perante os portadores de necessidades especiais deverão ser respeitadas em seus direitos e deveres.

A qualidade da educação especial deve ser atribuída aos pais e professores a fim de se evitar a decadência silenciosa do aprendizado. O incentivo, portanto, é fundamental para a progressão e melhoria do desempenho geral do indivíduo. Em síntese, é preciso garantir que o indivíduo tenha percepção integrada de si mesmo com objetivo de interpretar adequadamente os sinais sociais, promovendo então a básica capacidade de confiar no outro e aceitar transitoriamente a dependência para o desenvolvimento.




Marta Relvas

É Bióloga, Dra e Ms em Psicanálise, Neuroanatomista, Neurofisiologista, Psicopedagoga e Especialista em Bioética. Tem certificação internacional em Educação na Abordagem Reggio Emília na Itália e Title in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal. É Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento, e da Associação Brasileira de Psicopedagogia. Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal. Professora Universitária da AVM Educacional / UCAM, UNESA - RJ e Professora Pesquisadora convidada no curso de Pós-graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós-graduação de Neurociência Pedagógica na UCAM / AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.