DESTAQUES

Frustração: aprende-se a lidar com ela?

Regina Wielenska 01/01/2016 PSICOLOGIA
É importante saber: na vida há um grau de incontrolabilidade e incerteza

por Regina Wielenska

Frustração é um sentimento que mescla tristeza, raiva e decepção, geralmente produzido por situações nas quais se perdeu algo, concreto ou abstrato, que nos era muito caro.

Outra opção seria quando acreditávamos que iríamos conseguir algo muito desejado, certamente especial e não foi possível alcançar a meta tão ansiada. Faz sentido?

Crianças bem pequenas não sabem esperar, o choro desesperado significa uma urgência, seja por alimento, fralda limpa, aconchego. Não podemos deixá-las ao desemparo, o jeito é prover bons cuidados. Mas e se o choro desesperado de uma criança de quatro anos for por um presente que chegará apenas no Natal, e estamos ainda em novembro? Crianças nesta idade são verbais, e os pais deverão lhe ensinar a esperar. Alguns povos seguem a tradição do calendário do advento, a cada dia a criança pode retirar um pequeno doce do calendário, sinalizando a passagem dos dias em direção à celebração do Natal. Ela aprende a esperar por experiências como essas pela explicação dos pais.

Vai chegar a hora em que se aprende uma lição mais difícil, quando algo tido como garantido acaba não acontecendo. A viagem de férias no litoral ia acontecer, mas o pai perdeu o emprego. A criança que treinou muito bem na ginástica olímpica, mas não subiu ao pódio. Aprender que na vida há um grau de incontrolabilidade e incerteza é importante. De certo modo, é como se crianças e adultos precisem saber que as recompensas são para os que se empenham, mas que nem todos que se empenham acabarão recompensados.

A perseverança é um padrão de comportamento derivado de uma história de vida na qual as recompensas são intermitentes; há vezes em que se alcança uma meta, mas nem sempre os esforços serão reconhecidos e recompensados. Continuar a nadar é o jeito. Morrer na praia, jamais.




Regina Wielenska

É psicoterapeuta na abordagem analítico-comportamental na cidade de São Paulo. Graduada em Psicologia pela PUC-SP em 1981, é Mestre e Doutora em Psicologia Experimental pela IP-USP. Atua como terapeuta e supervisora clínica, é também professora-convidada em cursos de Especialização e Aprimoramento. Publicou dezenas de artigos científicos, e de divulgação científica, além de ser coautora de livros infanto-juvenis.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.