DESTAQUES

Cardiologistas alertam: abandono de cigarro leva fabricantes a usar aditivos

Redação Vya Estelar 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Na pele, o efeito mais notável do cigarro é o envelhecimento

Da Redação

Constituído por mais de quatro mil substâncias tóxicas, o cigarro provoca cerca de 5 milhões de óbitos por ano, 200 mil deles no Brasil, segundo dados da organização Mundial de Saúde (OMS).

O cigarro é consumido por 18% da população brasileira, além de estar relacionado a mais de 50 doenças – como câncer de boca, pulmão e faringe – também faz (muito) mal à pele.

“Na pele, o efeito mais notável do cigarro é o envelhecimento”, afirma a dermatologista Eliandre Palermo (CRM-SP 78723). “As substâncias presentes em sua composição inativam enzimas protetoras das camadas cutâneas, diminuem colágeno e liberam radicais livres, além de provocar vasoconstrição.”

Por consequência do fluxo de sangue reduzido, o fornecimento de oxigênio e nutrientes importantes para saúde da pele também diminui. O resultado é a perda do colágeno e a elastina, fibras responsáveis pela força e elasticidade da cútis, acelerando o surgimento de rugas e a maior flacidez do tecido cutâneo.

Estudos ainda sugerem que os efeitos podem ser piores nas mulheres. A nicotina interfere no fluxo de estrógeno (hormônio que atua na síntese de colágeno e da elastina) para a pele, aumentando o risco de envelhecimento precoce.

A capacidade de cicatrização da pele também é comprometida. Uma pessoa que fuma até um maço de cigarros por dia tem três vezes mais chances de apresentar necrose de pele após cirurgias dermatológicas e plásticas.

Os efeitos negativos do cigarro não se limitam à aparência da cútis. O tabagismo reduz a imunidade do organismo e aumenta a porcentagem de risco de câncer de pele. A situação piora se o fumante gostar de expor-se ao Sol.

“O cigarro é uma substância comprovadamente carcinogênica que tem seus malefícios fartamente comprovados”, afirma Eliandre. “Assim, em nome da saúde e da prevenção do envelhecimento, o indicado é manter-se longe dos cigarros”, finaliza.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.