DESTAQUES

Consumo de álcool, mesmo moderado, pode prejudicar dieta

Redação Vya Estelar 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Muitas vezes temos essa impressão de dieta quando bebemos

por Adriana Kachani

Escrevo este artigo no terraço de casa, apreciando um pôr-do-sol de verão maravilhoso. Além do pôr-do-sol, o bairro do Pacaembu inteiro à minha frente, com muitas árvores e – ainda bem – nenhum jogo no estádio. Clima perfeito para um drink. Poderia ser uma cerveja, um uísque, como também um pró-seco. Tudo depende de uma questão de espírito.

Pena que estou de dieta. Sim, apesar de muitas pessoas pensarem que um “drinkizinho” não engorda, afinal de contas é líquido, o álcool tem 7,1 calorias por grama, muito mais do que proteínas e carboidratos, que possuem somente 4 calorias por grama.

Ou seja, tanto se fala em não comer carboidratos à noite (fujam dessa crença popular sem fundamentos) e acaba-se consumindo quase o dobro de calorias numa cerveja.

O álcool, além de ter calorias, é uma substância tóxica ao nosso organismo. Por isso, devemos eliminá-lo o mais rápido possível e para tanto, seu metabolismo fica sendo prioritário. O que significa que as calorias provenientes do resto consumido acabam sendo estocadas. E vocês sabem que estoque de calorias significa gordura.

Muitas vezes temos essa impressão de dieta quando bebemos, pois o álcool tira a fome, conferindo uma sensação de saciedade. Tira a fome justamente porque tem tantas calorias, que já supre nossas necessidades energéticas! E que seja bem dito, somente as necessidades energéticas, pois como o álcool não possui muitos nutrientes, ele praticamente fornece calorias vazias, ou seja, sem nenhuma vantagem nutricional.

Acompanhamento

Devemos também lembrar que nunca bebemos sem acompanhamento. E as opções de acompanhamento nunca são light. Salgadinhos de pacote, frituras, azeitonas, oleaginosas (amendoim, nozes, amêndoas, castanhas), torradas com patês, queijos gordos (parmesão, provolone, camembert...), alimentos ricos em gordura, que engordam muito!

Uma taça de vinho por dia realmente reduz problemas cardiovasculares?

Fala-se muito que uma taça de vinho por dia para reduzir problemas cardiovasculares. É importante salientar que a literatura científica ainda não é unânime a respeito do assunto. Deve-se lembrar também do marketing da indústria produtora de vinhos. Nunca se bebeu tanto vinho no Brasil, justamente agora que se levantou a relação vinho/doenças cardiovasculares. A questão é que poucas vezes as pessoas têm o alto controle de manterem a quantidade de uma taça diária. A quantidade vai lentamente aumentando, e quando percebemos, já estamos consumindo 2-3 taças por dia. Ë importante também dizer que o indivíduo que resolve adquirir esse hábito, deve contabilizar as calorias do vinho no seu valor energético diário. Sim, lembrar que apesar das evidências dos benefícios do consumo, vinho, como todas as bebidas alcoólicas, engorda!

Muitas pessoas chegam ao meu consultório dizendo que não conseguem parar de beber, pois a rotina de trabalho exige happy hours, coquetéis e refeições de negócios. Mas quem disse que nessas ocasiões devemos beber, sempre? O mundo está cheio de pessoas que não consomem álcool. Como ficam elas, então? Não trabalham? Não têm amigos?

Como beber em eventos

Se você optou por beber em eventos, algumas dicas devem ser observadas. A primeira, clássica, é nunca beber de barriga vazia. A chance de você passar mal ou ficar desagradável é muito grande. Outra, importantíssima, é não beber se vai voltar dirigindo. Por fim, alterne sempre a bebida com muita água, assim você não desidrata e ainda bebe menos.

Também gosto de brincar e sugerir “goles de princesa”. É beber bebericando, somente molhando os lábios. O gosto fica na boca, e a bebida rende, rende...

Por fim, se para você está difícil parar, repense a situação. Será que você já não ultrapassou o limite da normalidade e precisa de uma ajuda? Nunca é tarde para buscá-la,.nem que a motivação seja só perder uns quilinhos.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.