DESTAQUES

Agressividade na criança quase sempre é de causa familiar

Marta Relvas 01/01/2016 PSICOLOGIA
Bom exemplo de mais velhos tem eficácia na formação das crianças

por Marta Relvas

O comportamento agressivo é um distúrbio de conduta que preocupa todos os educadores. Ele se caracteriza por um impulso destruidor, verbal ou físico contra os outros ou ao próprio.

Algumas crianças pequenas, ao iniciarem sua vida social e escolar, podem apresentar algum tipo de agressividade, pois o cérebro ainda passa pelo processo de educabilidade que, aliás, serve para os adultos também.

Bater, ofender, liderar, um grupo contra colegas, quase sempre essa atitude tem uma causa familiar.

É verdade que cada criança possui históricos genéticos, psíquicos próprios, mas a família e o ambiente em que vive são responsáveis por grande parte desse comportamento. Pais agressivos ou tolerantes em excesso, pais com alto grau de exigência ou em desacordo com o modo de educar, superprotetores e com medo de corrigir atitudes negativas dos filhos, promovem e geram comportamentos agressivos na criança.

O bom exemplo de pais e irmãos mais velhos tem eficácia na formação das crianças. O benefício é o reconhecimento do bom comportamento através do reforço positivo.

Dicas importantes:

- Incentive sempre seu filho (se na escola, o aluno) - com sentimentos e palavras positivas - numa situação de erro, promovendo a autoestima. Essa atitude libera um hormônio no cérebro chamado ocitocina, que é o da
autoconfiança.

- Evite gritar, essa atitude demonstra total falta de equilíbrio emocional. A criança precisa perceber que o adulto é o orientador e não o opressor, pois essa atitude reprimida promove a liberação de *cortisol e potencializa o medo.

- Proponha atividades, dando-lhes oportunidades como bônus de boa conduta.

* Hormônio liberado em situações de estresse

 




Marta Relvas

Bióloga; Doutora e Mestre em Psicanálise; Neuroanatomista; Neurofisiologista; Psicopedagoga e Especialista em Bioética; Tem certificação no programa internacional em Reggio Emília Study Abroad Program na Itália; Title of People Expression Special category Best Practices in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal; Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento; Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia Rio de Janeiro; Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação – Transtornos da Aprendizagem publicados pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal; Atua ainda como Professora Universitária na Universidade AVM Educacional / Cândido Mendes, nos cursos de pós graduação em Psicopedagogia, Psicomotricidade, Neurociência Pedagógica, e na formação Docente; Professora na Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro nos cursos das áreas: saúde, licenciatura; Professora Mentora do curso de Neurociência e Educação CBI OF Miami. Professora, pesquisadora convidada no curso de pós graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós graduação de Neurociência Pedagógica na Universidade Candido Mendes/ AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.