DESTAQUES

Pensar... entenda a regra do 2:1

Miriam Rodrigues 18/03/2019 PSICOLOGIA
Pensar... entenda a regra do 2:1
Fonte: imagem Pixabay
Por que ter pensamentos construtivos e não ter pensamentos positivos

Por Miriam Rodrigues

Quem me conhece, sabe que a seguinte ideia é um norte para muitas de minhas ações: a proporção 2:1.

Para cada coisa que não gosto, me permito fazer duas que gosto. Por exemplo: para cada música que eu ouço e não gosto, ouço duas músicas da Adele (minha cantora favorita), para cada post que leio e não gosto, procuro postar duas coisas que me agradam...

Pensamentos construtivos   

Assim também procuro fazer com meus pensamentos. Procuro ter alguns pensamentos construtivos (note que estou usando a palavra construtivo e não positivo para especificar que o pensamento deve se aproximar ao máximo da realidade e que alguns pensamentos muito positivos, fazem justamente o contrário, nos afastam da realidade).

Proporção 2:1

Greg Garamoni e Robert Schwartz, psicólogos da Universidade de Pittsburg, conduziram estudos que apontam a proporção de bons e maus pensamentos de acordo com a saúde emocional de cada individuo. Foi possível contar pensamentos levando em consideração: lembranças, devaneios, autoexplicações etc.

Proporção de pensamentos de deprimidos  

Por meio de 27 estudos diferentes, concluíram que pessoas deprimidas tinham uma proporção igual: um pensamento ruim para cada pensamento bom.

Proporção de pensamentos de não deprimidos    

Indivíduos não deprimidos tinham mais ou menos o dobro de pensamentos bons em relação aos ruins.

Esta ideia é literalmente simples, mas poderosa, e confirmada pelos resultados da terapia: pacientes deprimidos que melhoram saem de sua proporção original de 1:1 para 2:1. Os que não melhoram permanecem em 1:1.

Agora que você sabe disso, vamos cuidar dos pensamentos?

Como anda sua proporção?




TAGS :

    pensamentos, positivos, psicologia, comportamento

Miriam Rodrigues

Miriam Rodrigues é psicóloga, especialista em Psicologia Clinica e em Medicina Comportamental pela UNIFESP. Idealizadora da Educação Emocional Positiva, programa psicoeducacional para se trabalhar as competências socioemocionais e as habilidades para o bem estar, presente em todos os estados brasileiro. Autora e coautora de diversos livros na temática de Psicologia Positiva, Educação Emocional e Terapia Cognitiva. www.educacaoemocionalpositiva.com.br



ENQUETE

Você sente dificuldade de sair de um relacionamento abusivo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.