DESTAQUES

Famílias no restaurante

Regina Wielenska 23/10/2018 COMPORTAMENTO
Famílias no restaurante
Fonte: Google Imagens
Oportunidades bem ou mal aproveitadas

Por Regina Wielesnka

Observei, com a discrição possível, duas famílias chegando para o jantar num restaurante casual de São Paulo. Uma delas era composta por um casal, sua filha de uns oito anos e o filho um pouco menor, talvez com seis.   Suponho que a senhora que os acompanhava fosse avó das crianças. O outro casal, um pouco mais jovem que o anterior, tinha duas meninas, de uns quatro e seis anos. Nomearei a primeira família de A e a outra de B, para facilitar na hora de citar uma ou outra.

O que vi ocorrendo com os A? Pouco uso de celular, muita conversa e olho no olho entre adultos e crianças. A maiorzinha recebeu do garçom um jogo de identificação dos sete erros, empenhava-se em achar, mas lhe faltavam dois depois de bons minutos. Chegou a educadamente perguntar ao garçom se ele sabia as respostas. Não conseguiu ajuda, e o pai a incentivava na busca. As crianças examinaram o cardápio infantil, com porções menores, e o adulto. Não sei o que escolheram. O papo corria solto, tudo fluía com facilidade, a escolha dos pratos, a espera, os assuntos, o contato entre as pessoas. A maior inquiriu os pais sobre o destino da viagem no dia seguinte, descobri que iam para Marilia.

A família B foi outra história. A pequena, já ao entrar, passou na miniestante disponibilizada aos pequenos clientes e catou um livro, cuja capa expunha olhinhos móveis. Sacudiu o livro, virou ligeirinho suas páginas e pegou outro, e outro e outro... A maior começou a pintar com o giz de cera, material fornecido pela casa. O contato dos pais com as pequenas parecia competir com o manejo dos celulares, da parte de pai e mãe. Não diria serem negligentes ao extremo, mas a desconexão com as potencialidades não digitais do momento presente ficava evidente.

Um contraponto se estabeleceu aos meus olhos. Os A fizeram de refeição um espaço de trocas de olhares e expressões, informações, afetos. As três gerações integradas. Esperar pelos pratos foi algo fácil. O jogo dos sete erros era oportunidade para tentar vencer um desafio, sem atalhos desnecessários. Examinar os cardápios demonstrava a funcionalidade da leitura na vida cotidiana. Todos tinham voz, sem gritos, sem tédio.

A família B parecia uma orquestra desafinada, as crianças se ocuparam como deu. Quase me ofereci para ler para elas! Não havia contexto para tal, eu me sentara a alguma distância. Mas essa alternativa, a leitura, seria uma oferta coerente, visto o interesse da iletrada menina de quatro anos pelos livros de capas atraentes. Perdeu-se uma chance de ouro, e a maiorzinha certamente também aproveitaria a leitura. O casal quase não dialogou, a escolha da comida das pequenas não foi conversada com elas, a interação com os celulares era o mais evidente.

Minha observação durou poucos minutos, mas tive acesso a estilos familiares distintos, cujos resultados sobre a vida conjugal e as habilidades socioemocionais e cognitivas das crianças são razoavelmente previsíveis. Tomara que aquele dia, aparentemente ruim, não seja rotineiro para a família B.




TAGS :

    psicologia, comportamento, família

Regina Wielenska

É psicoterapeuta na abordagem analítico-comportamental na cidade de São Paulo. Graduada em Psicologia pela PUC-SP em 1981, é Mestre e Doutora em Psicologia Experimental pela IP-USP. Atua como terapeuta e supervisora clínica, é também professora-convidada em cursos de Especialização e Aprimoramento. Publicou dezenas de artigos científicos, e de divulgação científica, além de ser coautora de livros infanto-juvenis.



ENQUETE

Quem não tem cão caça com o “ex”, que está receptivo. Você concorda?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.