DESTAQUES

Produzir a si mesmo ou viver às custas?

Eduardo Carmello 20/07/2018 AUTOCONHECIMENTO
Produzir a si mesmo ou viver às custas?
Fonte: imagem Pixabay
Se em vez do ganho fácil, ele preferir a paz e a autenticidade, então o caminho é tomar conta de si mesmo, produzir a si mesmo como um compromisso de autonomia e evolução

Por Eduardo Carmello

Ele pensa que pode distorcer a realidade para obter ganhos fáceis. Ora coitadinho, ganhando favores indevidos, ora ditador, oferecendo proteção desnecessária e cobrando caro por isso. Ardiloso na arte de contar histórias para receber o que não é seu de direito.

Sempre reivindicando privilégios, querendo vantagens, exigindo um pedaço do lucro que não ajudou a produzir. Constantemente perturbado por um vazio interno que jamais se preenche por fora.

Nos raros momentos de calma, uma voz interior sussurra que o caminho dessa desilusão é abraçar a realidade. Não cobrar ou usurpar do outro a energia amorosa, produtiva, criativa e financeira que deve ser produzida por si mesmo. Que o vazio existencial é preenchido de amor-próprio, de autoestima e de muita coragem para experimentar o sofrimento do crescimento.

O ganho real não vem do poder de manipular, dominar, mendigar ou paparicar ninguém para ter energia. Vem da compreensão profunda de que ele é um ser potente, com capacidade de criar a si mesmo e caminhar com as próprias pernas, sem precisar utilizar-se do outro como provedor eterno, como escravo ou gênio da lâmpada que está ali para satisfazer todos os seus desejos.

Ele vê tantos outros com o mesmo pensamento do ganho fácil que considera normal essa estratégia. Ele confessa: é delicioso obter vantagem dos fracos e ignorantes, utilizando da sua lábia político-espiritual, prometendo o que não pode entregar, capitalizando em cima daqueles que acreditam em seu próprio drama.

O único problema é que o vazio não passa, a perturbação não diminui e os inteligentes e justos nunca são enrolados por ele. Não o consideram e não o bajulam, sabem ler suas segundas intenções, não batem palma para o seu espetáculo coreografado, o que gera mais perturbação interna.

Se em vez do ganho fácil, ele preferir a paz e a autenticidade, então o caminho é tomar conta de si mesmo, produzir a si mesmo como um compromisso de autonomia e evolução. É só procurar conversar com os que já desenvolveram esse caminho de expansão e realização. Ele também pode observar e aproximar-se da Natureza, modelo maior de potência de criação e produção, como diz Espinosa. Com certeza não será um ganho fácil, mas como diz Nietzsche, "Nunca é alto o preço a pagar pelo privilégio de pertencer a si mesmo".

Humildemente, eu acrescentaria "pertencer e produzir a si mesmo".




TAGS :

    autoestima, independência, autoconfiança

Eduardo Carmello

Diretor da Entheusiasmos Consultoria em Talentos Humanos, consultor e palestrante entre os 5 mais reconhecidos do país, segundo o Top of Mind de RH do jornal O Estado de S. Paulo. Autor dos livros Resiliência: a transformação como ferramenta para construir empresas de valor (2008, Editora Gente) e Supere: a arte de lidar com as adversidades (2004, Editora Gente).



ENQUETE

Você ama em conta-gotas?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.