DESTAQUES

Você é sensível?

Tatiana Ades 18/05/2018 PSICOLOGIA
Você é sensível?
Fonte: imagem Pixabay
Entenda por que você se sente perdida

Por Tatiana Ades

Confesso estar assustada com a falta de empatia do ser humano.

A capacidade instintiva de entender o outro (independentemente de quem eu seja), está se tornando banal e fria.  Não há compreensão além daquilo que eu não concorde ou que “me defina”.

O outro é aceitável ou não, diante das minhas avaliações pessoais, de quem eu sou e como enxergo o mundo. Ou seja, ele é descartável ou não, pois não concorda com as minhas convicções e ideias.

E sem perceber, o novo narcisista, da poderosa era digital, vive afetos da mesma maneira que compra carros, celulares e televisões: tudo é descartável, tudo é líquido e passageiro.

As pessoas estão doentes, principalmente aquelas que enxergam esse mundo mascarado e sem condições de se doar, de trocar e de compreender.

Os sensíveis estão perdidos numa ilha inundada de julgamentos e credos, conceitos e preconceitos.

A psicofobia (preconceito com transtornos mentais), demostra o quanto estamos preparados para aceitar um novo computador que substitua o homem e o quanto não conseguimos entender as dores e desamores do outro.

O suicídio cresce, a incompreensão desaba em desafeto e as pessoas adoecem cada vez mais.

O chamado “louco”, tem sido o único capaz de perceber com tanta lucidez esse mundo psicopata e egocêntrico.

O excêntrico, o anormal e o maluco social tem se mostrado muito mais sensato e equilibrado.

A linha entre a loucura e a sanidade é muito tênue, mas a linha entre a bondade e a maldade está quase imperceptível e ninguém se questiona sobre isso.

O mundo está desabando ou seremos nós meros espectadores de um teatro passageiro?




TAGS :

    comportamento, psicologia, reflexão, sou, sensível, sofro

Tatiana Ades

É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.



ENQUETE

Você se sente infeliz no trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.