DESTAQUES

Namorado com temperamento explosivo e viciado em ataques de raiva; saiba como lidar

Anette Lewin 02/03/2018 PSICOLOGIA
Namorado com temperamento explosivo e viciado em ataques de raiva; saiba como lidar
Fonte: imagem Pixabay
Lembre-se que quando uma pessoa toma uma atitude de risco, a responsabilidade é dela

Por Anette Lewin   

Depoimento de uma leitora:

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



“Gostaria de saber se poderiam me ajudar com uma questão que vem me incomodando muito no relacionamento com meu namorado. Sei que não cabe a mim ou em qualquer tipo de relacionamento alguém tentar mudar o outro. Porém, gostaria de saber o que fazer quando ele possui acessos de raiva, por qualquer motivo: seja por perder em jogos, em não concordar com a chefe no trabalho, por estar em um ônibus lotado, ou qualquer situação em que não saia conforme as expectativas dele. A questão é que cada vez que age dessa forma, eu vejo como fica mal, e se prejudica. Então além de estar vendo como faz mal pra saúde dele, eu fico com muito medo, pois me assusta os gritos, os socos nas paredes (quando não consegue se controlar) e realmente me sinto insegura. Já tentei conversar diversas vezes com ele sobre isso, mas em todas as conversas a situação só piorou, e ele interpreta como se eu estivesse tentando controla-lo. Inclusive já deixou claro que durante esses acessos de raiva é quando se sente mais vivo. E isso me preocupa, pois age como se fosse um vício. Devo simplesmente ignorar e esperar para que a raiva que está sentindo passe? E como fica o respeito a mim? Devo entender que de fato esse é o "momento dele"? Mesmo que isso me faça me sentir desrespeitada e humilhada? Pois é assim que me sinto todas as vezes, e incapaz de conseguir ajudar.”

Resposta: Você me parece uma pessoa realmente interessada em ajudar seu namorado. Muito digno esse sentimento e a forma como descreve o sofrimento dele nas crises. Você tenta manter sua dignidade, e esforça-se por entender o que está acontecendo sem vitimizações. Parabéns!

Acontece que às vezes só a vontade de ajudar e toda boa vontade do mundo não são suficientes. Às vezes, a questão não é apenas psicológica ou emocional, ela pode ser bioquímica. Parece ser o caso de seu namorado. E para desordens bioquímicas, é necessária a ajuda de um profissional, no caso, um psiquiatra. Ele pode ajudar a fazer um diagnóstico preciso e medicar se for o caso.

Certamente é difícil convencer uma pessoa que enxerga esse tipo de crise, como “seu momento”, a procurar ajuda. Mas vale a tentativa. Você já percebeu que durante a crise não dá para conversar. Assim, procure um momento de neutralidade para ir semeando a ideia. Nessa conversa evite colocá-lo como “doente”. Diga que está procurando formas de trazer maior conforto emocional tanto para ele quanto para o relacionamento. Pode ser que em algum momento ele aceite sua sugestão. Vale também a sugestão de uma psicoterapia. Às vezes, conversar com um profissional poderá ajudá-lo a se conhecer melhor e entender que, às vezes, a medicação se faz necessária.

Mas, e se ele não aceitar?  Bem, aí cabe a você tomar a decisão de continuar o relacionamento ou rompê-lo. Lembrando que desordens bioquímicas, em geral, não melhoram sem tratamento médico. Assim, converse com ele e explique que você sente medo, e insegurança durante as crises e vê o tratamento dele como algo imprescindível para que vocês possam continuar juntos e construir uma relação de qualidade. Se ele fizer isso por você, será um sinal que ele entende que na relação a dois não dá para ficar fazendo o que se quer o tempo todo; que às vezes é importante buscar soluções diferentes daquelas com as quais conviveu até agora; e que o que lhe faz sentir aliviado pode ser sentido como insuportável para quem está ao seu lado.

Por outro lado, se ele se mostrar inflexível e você resolver aceitá-lo assim mesmo, tente encontrar meios de se preservar durante as crises, porque nessa hora a falta de controle pode ser perigosa não só para ele, mas também para você. De preferência, afaste-se até que a crise passe. Lembre-se que quando uma pessoa toma uma atitude de risco, a responsabilidade é dela. Nesse caso, é importante não deixar que esse risco destrua sua integridade moral e psicológica que parece tão bem construída.

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um psicólogo e não se caracteriza como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Esta resposta possui dois formatos: 1º formato: responder as perguntas enviadas pelos leitores. 2º) formato: de A a Z, explicar através de uma palavra em específico (verbete) o significado do que sentimos ao amar. Esta palavra será extraída de um e-mail enviado pelo leitor a esta coluna. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



TAGS :

    namorado, ataques, raiva, tei, como, lidar

Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data. É coach em saúde mental.



ENQUETE

Qual candidato à Presidência terá mais condições de melhorar o índice da FIB (Felicidade Interna Bruta) e o do IDH (índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.