DESTAQUES

Bondade, compaixão, alegria e serenidade

Eduardo Yabusaki 16/11/2017 COMPORTAMENTO
Bondade, compaixão, alegria e serenidade
Fonte: imagem Pixabay
Como estes 4 elementos que compõem o amor, segundo o Budismo, podem ajudar você em seu relacionamento?

por Eduardo Yabusaki

Para todos aqueles que estão num relacionamento ou que só veem dificuldades em conseguir, é fundamental termos claro que não existe fórmula milagrosa para o sucesso de um relacionamento ou magia para que as coisas deem certo no casamento.

Então, todo relacionamento está fadado a dar errado, ou passar por dificuldades, conflitos, estresse etc? Não necessariamente, pois isso só acontecerá se nada for feito para a boa convivência e entendimento entre as partes. E isso depende fundamentalmente de ambos.

Portanto, os elementos afetivos que intitulam este texto, nada mais são do que canais que permitirão o acesso e dinâmica entre as partes envolvidas, e não uma fórmula.

Abaixo comento sobre características que talvez não sejam observadas e por isso não cultivadas na relação.

Bondade

O quanto que nos voltamos para o nosso par e o vemos com algo bom, como um ser que traz generosidade e uma boa alma, e por consequência, o quanto que eu promovo isto dentro de mim. Afinal, olhar para o outro é muito fácil, mas e o olhar para dentro: como sou, como me mostro, o quanto sou bom, faço o bem ou promovo o positivo entre nós?

É comum observarmos exatamente o inverso, pessoas num relacionamento que convivem de forma tensa, estressada, e por vezes, até mesmo agressiva. Isso é ser uma pessoa bondosa? Esta é uma prática difícil, afinal envolve conceitos e ideias (filosofia) de vida.

O que eu adoto enquanto atitudes e comportamentos em relação ao meu par, a quem digo ser amado(a), e com quem eu preciso praticar este amor?

Compaixão

O quanto que eu me doo de forma empática para com a dificuldade, tristeza, angústia, dor, fragilidade, fraqueza, sofrimento ou problemas do meu par?

Como me coloco no lugar do outro e procuro ajudar?

Observamos muitas vezes o quanto que as pessoas estão despreparadas e reagem com destempero às dificuldades do outro, querendo passar por cima dos sentimentos para não ter que encarar de frente. O que acaba por ser recebido como uma total falta de respeito e desconsideração para com o sofrimento do par.

Alegria

O quanto vivemos com alegria a nossa vida?

Como promovemos, buscamos ou estimulamos e valorizamos a nossa alegria?

Alegria de viver, de trabalhar, de malhar, de namorar, de estar com o meu par, enfim o quanto cultivamos e vivemos realmente esta alegria que nos deixa bem, nos faz bem e nos faz contagiar àqueles que estejam em nossa volta?

É preciso deixar a mácula do mau humor, da tensão, da ansiedade e preocupações que permeiam o nosso dia a dia, e que acabam por nos distanciar do nosso bem-estar. Alegria promove-se com bom humor, vivências prazerosas e agradáveis, com descontração e tranquilidade.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Serenidade

Cada um de nós precisa encontrar seu estado ‘zen’, estado de tranquilidade e confiança, nas experiências vividas no dia a dia: reflexões, avaliação, análise, pensamentos, busca pelas melhores alternativas, formulações conceituais e filosóficas... Enfim, a condição da melhor e mais profunda concentração em que possa-se ter o melhor aproveitamento do que quer que seja, com assertividade. Nessa condição, resolver conflitos do relacionamento flui de forma coesa e sensata, produzindo um bem querer e amor ainda mais consolidado.

Estes são conceitos e ideias que podem ajudar acentuadamente a sua convivência em seu relacionamento. Por consequência, melhorar a qualidade de vida de ambos, com prazer, satisfação, afetuosidade e sentimentos dos mais profundos, e assim, dar ainda mais sentido ao amor propagado entre o par. Viva e ame incondicionalmente, só assim ele será experimentado integralmente, sem medo e sem amarras. Seja feliz!




TAGS :

    budismo, bondade, amor, alegria, serenidade, compaixão, relacionamento

Eduardo Yabusaki

Eduardo Yabusaki - Psicólogo e Sexólogo Especializado em Terapia Comportamental Cognitiva, Terapia de Casal e Terapia Sexual. Coordenador do Curso de Sexologia Clínica ministrado em diferentes cidades há mais de 15 anos. Docente convidado do Curso de Fromação em Sexologia Clínica de BH. Responsável pelo www.vidadecasalbh.com.br



ENQUETE

Você se sente infeliz no trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.